segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Frio, frio, frio!

Quando sinto na minha pele o frio, lembro-me de um fato com várias imagens que marcaram uma certa manhã...



Era manhã normal como todas as outras. Acordei. Tomei café. Coloquei muita roupa e saí.
Naquele dia, às 6 horas da manhã faziam 6 °C de temperatura.
Parecia um dia normal como todos os outros, peguei o lotado metrô, e naquele dia, por causa do frio, até parecia que ninguém se incomodava com aquela situação de 12 pessoas por metro quadrado...


Cheguei ao meu destino, Estação República do Metrô (Centro de São Paulo), onde eu trabalhava. Faltavam aproximadamente vinte minutos para as oito da manhã.

Quando saí da estação indo em direção à rua que trabalhava, ví algo...

Em meio a algumas caixas de papelão, observei uma movimentação que chamou a minha atenção. Diversas coisas vieram à minha mente, pensei: Talvez seja um cachorro... Mas, não era! Quando olhei bem, ví uma mãozinha bem pequenininha e à medida que me aproximei, pude ter aquela terrível visão. Era um menininho de aproximadamente uns quatro anos de idade. Estava apenas de bermuda e camiseta. Descalço. Naquele frio... Naquele momento, o vento frio batia em meu rosto, e sentia uma lágrima rolar.


Em meio à extrema velocidade com que passei, pois estava um pouco atrasado, nem bem conseguí ver o rosto daquela criança. Mas, durante aquele dia fiquei pensando e me perguntando: Por que não tirei a minha blusa e dei àquele menino? Era a única coisa que eu podia fazer, e não fiz. Me arrependí muito de não tê-lo feito, e até hoje me arrependo!


Apesar de tudo, aprendí algo muito importante naquele dia. Quando se trata de ajudar alguém, tenho que fazê-lo o mais rápido possível. Era o que meu coração me mandava fazer. Às vezes, é bom sim ouvir a voz do coração. Nós não devemos desperdiçar oportunidades de fazer o bem, e naquela fria manhã eu aprendí aquela lição, e hoje faço tudo o que posso!


Mas, neste momento em São Paulo fazem 10 °C de temperatura, e fico a imaginar: Estou na minha casa, agasalhado, tenho o que comer, onde dormir, estudo e etc... Mas, e aquelas crianças moradoras de ruas? E até mesmo aqueles homens e mulheres... Eles não têm roupas, calçados e nem mesmo o que comer... É muito triste a situação social de muitos que sofrem pela exclusão! Enquanto isso, tem alguns políticos, que nem merecem ter seus nomes citados e gastam nosso dinheiro para viajar.

Então, eu jovem como sou, aprendí que não devo reclamar, pois há pessoas com a mesma idade que eu e nem mesmo sabem o que é uma escola, uma boa casa, e etc.

É MUITO IMPORTANTE SERMOS FELIZES SIM, MAS NÃO NOS CONTENTARMOS COM A SITUAÇÃO DA NOSSA SOCIEDADE! PODEMOS FAZER A DIFERENÇA! SE CADA UM FIZER A SUA PARTE, TEREMOS UM MUNDO MELHOR! VAMOS LUTAR CONTRA OS LADRÕES E DERRUBAR O MONSTRO DEVORADOR QUE PERMITE MUITOS MORREREM DE FOME E POR DESCASO EM NOSSO PAÍS! NÓS SOMOS A GERAÇÃO DA REVOLUÇÃO!

2 comentários:

  1. Pelo Post mano... muitas pessoal vivem em grande miseria, dor e solidão, só Jesus para salvar essa humanidade, e colocar amor em nossos corações para ajudarmos o proximo...


    Parabens e sucesso com os seus Blogs

    ResponderExcluir
  2. Você tem razão, amigo. Cada um precisa fazer a sua parte. A questão é que depende tão somente da vontade dos governantes fazerem a parte deles: melhor distribuição de renda, mais condição de trabalho, melhor atendimento na saúde. Isso já ajudaria grande parte dos mais necessitados a viver dignamente.
    Meu abraço,
    Yolanda

    ResponderExcluir